Eu não estou aqui para ser popular. Estou aqui para ser livre”, declarou Madonna a um público lotado e adorável na noite de terça-feira no ‘Howard Gilman Opera House” da Academia de Música do Brooklyn. Foi a estréia de sua turnê “Madame X“, em homenagem ao álbum que lançou em junho, que ela disse ter sido influenciado pela música em Lisboa, seu lar adotivo. O show segue suas décadas de espetáculos em grandes espaços, escalando o mesmo tipo de deslumbramento – dançarinos! trajes! vídeo! coro! – para um palco de teatro.

Ao contrário dos musicais de jukebox ou “Springsteen on Broadway”, a “Madame X Tour” é um concerto focado em novas músicas e no momento presente. Em outras palavras, Madonna ainda está se arriscando. Ela alcançará o tamanho de uma arena em apenas alguns locais da turnê por oito cidades, mas com compromissos muito mais longos; a “Gilman Opera House” teve um público de 2.098 pessoas, e ela reservou 17 shows por lá, até 12 de outubro. No palco, “vendendo” uma Polaroid selfie a um membro da platéia que era Rosie O’Donnell, ela afirmou: “Eu não estou fazendo um centavo neste show.

Os espectadores chegaram ao que foi considerado uma experiência sem telefone. Celulares e relógios inteligentes foram trancados em pequenas bolsas na porta, embora rapidamente fossem destrancados depois. Ajudou a evitar spoilers online; certamente removeu as distrações das telas onduladas. (Nenhuma fotografia era permitida, incluindo a imprensa.)

Tanto no álbum quanto no show, “Madame X” é a mais recente declaração de Madonna de uma identidade desafiadora, segura e flexível, totalmente à vontade com as dualidades: mãe atenciosa e aventureira sexual, candidata católica e espiritual abandonado, garota festeira e voz política, auto- descreveu “ícone” e auto-descreveu “mãe do futebol”, uma americana e – mais do que nunca – uma viajante do mundo.

Sim, ela tem 61 anos, mas sua música permanece decididamente contemporânea, com sons de armadilhas de bateria, colaborações com vocalistas de hip-hop (Quavo e Swae Lee, mostrados em vídeo) e o pop latino bilíngue, com sabor de reggaeton, às vezes chamado de urbano (com o cantor colombiano Maluma, também mostrado em vídeo). O concerto, com a maioria das músicas retiradas do álbum “Madame X”, estava repleto de pronunciamentos, símbolos e vinhetas enigmáticas para enquadrar as músicas. Madonna costumava usar um tapa-olho com um X, sem dúvida um desafio à sua percepção profunda de dançarina.

Quando Madonna completou apenas as duas primeiras músicas, ela já havia mostrado uma epígrafe de James Baldwin – “Os artistas estão aqui para perturbar a paz” – que foi nocauteada no palco por uma das figuras recorrentes do concerto, uma mulher (às vezes Madonna ela mesma) em uma máquina de escrever.

As armas de fogo introduziram “God Control“, que passa de um amargo luto pela morte de armas a boas lembranças da discoteca carregada de cordas dos anos 70, enquanto Madonna e dançarinos apareceram em versões brilhantes da elegância da Guerra Revolucionária, completas com chapéus tricolores emplumados, apenas para serem confrontados pela polícia com escudos de motim. “Dark Ballet” tinha referências de Joana d’Arc, uma montagem de catedrais góticas e padres assustadores, um trecho cantado com vocoder, com instrumental do “Quebra-nozes” de Tchaikovsky e Madonna lutando com dançarinos mascarados, até que os policiais a tiraram do piano em que ela estava sentada.

E havia mais. Detetives do cinema perseguiram e interrogaram Madonna em outra música tingida de disco: “I Don’t Search I Find“; “Crave“, que adverte, “Meus desejos se tornam perigosos”, exibia uma bola de discoteca em tamanho real. Um par de dançarinos robóticos, mas sinuosos, com luzes vermelhas nos olhos, flanqueava Madonna enquanto ela se sentava ao piano para “Future“, enquanto a tela do vídeo se enchia de imagens de destruição urbana e ambiental. Ela se cercou de um coro de mulheres vestidas de cores vibrantes e desenhos árabes geométricos em “Come Alive“, que usava as castanholas de metal e o ritmo tripleto da música marroquina dos gnawa para apoiá-la, pois mais uma vez as letras de Madonna rejeitavam opiniões e restrições indesejadas.

As músicas que Madonna escolheu de seu passado foram principalmente exortações e empurrões, às vezes acompanhadas de declarações políticas diretas. Ela cantou parte de “Papa Don’Preach“, revertendo sua decisão de “manter meu bebê“, depois falou diretamente sobre o apoio aos direitos ao aborto. Dançando enquanto rodeada por imagens de vídeo de dedos apontando, ela reviveu “Human Nature“, que já testemunhou – há 25 anos – a tenacidade e a determinação de Madonna de se expressar sem censura. Quando terminou, suas filhas Mercy James, Estere e Stella estavam no palco. Madonna e uma platéia cheia de gargalhadas compartilharam uma cappella, “Express Yourself”.

O showstopper inquestionável do concerto foi “Frozen”, uma sombria balada do álbum de 1998 “Ray of Light” que oferece cura: “Se eu pudesse derreter seu coração, nunca estaríamos separados.” Madonna apareceu como uma pequena figura no palco, cercada por projeções de vídeo gigantescas de uma dançarina que se move de uma garra auto-protetora. No backdrop era sua filha mais velha, Lourdes, afirmando a conexão da família Ciccone.

Desde 2017, Madonna vive em Lisboa, onde seu filho David joga futebol, e ela fala sobre saborear a música da cidade: a tradição portuguesa de fado e música do antigo império de Portugal, principalmente das ilhas de Cabo Verde, perto do Senegal. Um dos cenários mais elaborados do programa simulou um clube em Lisboa.

Madonna contou com o apoio do guitarrista português Gaspar Varela, neto da cantora de fado Celeste Rodrigues, em uma música séria e desajeitada, “Killers Who Are Partying“, do álbum “Madame X“; ela também apresentou um clássico cabo-verdiano, “Sodade“, que ficou famoso por Cesária Évora.

Lembrando à platéia que ela havia cantado em crioulo cabo-verdiano e em outras línguas, Madonna se gabou: “Esta é uma garota que se desloca. É uma garota que faz a lição de casa.” Mas nas próprias músicas, ela soava como uma turista bem-intencionada.

Madonna estava bem afiada ao ritmo mais forte de “Batuka“, uma canção baseada na tradição matriarcal, de chamada e resposta de batuque cabo-verdiana. Apoiada por mais de uma dúzia de bateristas e cantores de batuques – Orquestra Batukadeiras – e fazendo alguns movimentos de batuque, Madonna transmitiu o deleite de sua descoberta, mesmo quando a batida tocada à mão deu lugar à percussão eletrônica.

Quarenta e um músicos, dançarinos e cantores apareceram durante o show de mais de duas horas, que veio com as mesmas trocas de figurino que qualquer uma das extravagâncias de grande escala de Madonna (uma, antes de “Vogue”, foi executada diante do público, protegida por penteadeira). A cantora não estava no palco para um dos momentos de dança mais poderosos, uma pausa entre os atos quando uma fila de artistas convulsionava graciosamente no lábio do palco com respirações irregulares, gravadas com letras de entoação de Madonna de “Rescue Me“.

Madonna falou com e com o público várias vezes, aproveitando a intimidade da sala para contar piadas obscenas, pedir desculpas por começar o show tarde e saborear a cerveja de um fã. Contrastando liberdade e escravidão depois de “Come Alive”, ela anunciou que a escravidão “começa conosco”, esquecendo que o comércio de escravos não era o mesmo que “escravos de nossos telefones”.

No entanto, com Madonna, o espírito é mais sobre sons e imagens do que literalismo. “I Rise“, que encerra o álbum e o show, mostra um discurso de Emma Gonzalez, sobrevivente do tiroteio na “Marjory Stoneman Douglas High School” em Parkland, na Flórida, e depois seguem algumas letras desajeitadas. Mas em um pequeno teatro, com uma batida evangélica, punhos erguidos, imagens de protestos em todo o mundo, uma bandeira do arco-íris, e Madonna e sua trupe desfilando pelo corredor – perto o suficiente para os fãs tocarem – não havia como negar a convicção da Rainha.

Tradução RainhaMadonna.