Hoje, o RainhaMadonna traz mais uma entrevista EXCLUSIVA, dessa vez com a Batukadeira Darlene Barreto, que nos trouxe mais novidades sobre as Batukadeiras, a “Madame X Tour” e os bastidores! Vamos lá!

Olá eu sou Darlene Barreto e tenho 25 anos. Nasci e cresci em Cabo Verde onde vivi com os meus pais. Fiz os meus estudos também em Cabo Verde, mas quando concluí o ensino secundário aos 17 anos candidatei-me para uma vaga e bolsa de estudos para Portugal, na cidade de Lisboa, para fazer a licenciatura em Gestão de Marketing. Com o término da minha licenciatura de 3 anos, decidi ficar em Lisboa e continuar os meus estudos. Foi quando iniciei um Mestrado em Marketing Digital. Quanto à minha experiência profissional, nos dois últimos anos tive a oportunidade de estagiar no departamento de Marketing do Banco Santander em Lisboa por ano e foi uma das minhas melhores experiências que já tive e a minha única experiência profissional numa grande empresa como o Banco Santander. Aprendi muito e fui muito bem avaliada no final do estágio, tanto que com o término fui recomendada pelos meus tutores para uma das maiores agências de Marketing Digital no país para trabalhar como Project Manager. Nesta agência fiquei aproximadamente 1 ano também, mas tive de me despedir para porque o convite para trabalhar com Madame X chegou e não podia recusar. De qualquer forma eles sempre me apoiaram nesta decisão e garantiram que quando voltasse da tour podia voltar a trabalhar na agência.

Hoje, tendo em conta a situação que estamos a viver, tenho estado em casa a desenvolver os meus projetos. Recentemente estive a organizar com o Dino D’Santiago um festival de música cabo-verdiana com aproximadamente 80 artistas cabo-verdianos através da conta do instagram de cada artista. O Fetival decorreu entre os dias 5 a 11 de abril. Associado ao festival também lançamos uma campanha de angariação de fundos para ajudar os hospitais em Cabo Verde na luta contra o COVID tendo como meta 10.000€, entretanto já conseguimos o total de 18.000€. A campanha ficará disponível até final de abril caso queiram contribuir, só clicar aqui!

– Como foi o primeiro momento de Madonna com as Batukadeiras? Você estava presente neste encontro? Se não, como foi seu primeiro contato?

O primeiro encontro da Madonna com as Batukadeiras foi em 2018 a convite do Dino D’Santigo para atuarem numa festa surpresa e privada em Lisboa. No entanto, eu não estava presente nesta festa. O meu primeiro contacto com ela foi na gravação do vídeo-clip de Batuka. Quando ela entrou na sala nós já estávamos a gravar há algum tempo e estávamos à espera dela para gravarmos aquela cena em que aparecemos numa sala todas sentadas e ela a dançar. Quando ela chegou, fez questão de cumprimentar a todas com um beijinho na cara dizendo “Nice to meet you”. Foi um momento muito especial porque eu nunca pensei que um dia ia conhecer uma celebridade tão grande assim, muito menos a Madonna a rainha do Pop.

– Madonna faz questão de sempre dar destaque a culturas locais em seus álbuns, turnês e apresentações. Para você, qual a sensação de ter uma música no álbum da Rainha do Pop?

É algo inimaginável! Mas reconheço que é algo que vai ficar para sempre na história da nossa cultura. A forma como foi retratada tanto no álbum como no vídeo foi muito bem conseguida, pois foi efetuado todo um trabalho etnográfico para sustentar o resultado do que hoje conhecemos.

– Você esteve presente na gravação do clipe de Batuka? Conte para gente um pouco da experiência! Tem gente que acha que Madonna não participou das gravações e enviou uma dublê, acredita?

Como referido acima, sim estive na gravação do vídeo-clipe. Foi um momento muito lindo que vou guardar comigo para sempre.

– Pra você, qual o impacto de ter as Batukadeiras no álbum e turnê da Madonna?

A nossa entrega para Madame X tour foi completa, de corpo e alma! E podemos ver como impacto da nossa entrega pela reação das pessoas quando surgíamos da plateia para entrar no palco, ou na rua quando se encontravam conosco. As pessoas ficavam muito contentes e outros até choravam e diziam que se emocionaram com a nossa atuação. E isto deixa-nos muito feliz e crentes de que o nosso objetivo foi cumprido.

– Você tem vontade de participar mais uma vez de algum álbum ou turnê da Rainha do Pop?

Claro que sim! Mais do que participar num álbum ou numa tour, aquilo que aprendemos com ela e com todas as pessoas que fazem parte da Tour é muito valioso. E eu que ainda só tenho 25 anos acho que posso aprender muito mais.

Agora vamos falar da turnê, que é uma coisa que muita gente quer saber, já que infelizmente vocês não vieram para o Brasil!

– Como foram os ensaios para a Madame X Tour? Você poderia nos contar algumas curiosidades deles?

Os ensaios foram intensos, mesmo… Ensaiávamos muitas horas durante a semana toda mas tínhamos um dia de descanso. Quando nos aproximávamos do dia da estreia os ensaios começaram a ficar mais intensos, chegando a fazer mais de 12 horas de ensaios num dia. Houve dias que terminamos às 5 e 6 horas da manhã. Mas isso era para todas as pessoas envolvidas, inclusive a Madonna. Ela era a última a dormir, penso eu!

– Tem muito fã querendo saber das músicas que não foram cantadas no show… Nos ensaios, Madonna cantou alguma música que não entrou na setlist? Pode nos falar de algumas? Algumas delas seriam com as Batukadeiras?

Rescue Me por exemplo nós ensaiámos, mas não chegou a entrar na set list. Houve outras como a Like a Virgin que foi considerada mais na fase de workshop onde estávamos a experimentar coisas em Londres antes da Tour.

– Vocês participaram de outros números do concerto para além de Batuka. Destes, quais foram seus momentos prediletos?

Nós participamos em muitas músicas, começando pelo God Control com todas as batukadeiras; Human Nature com 4 das Batukadeiras (eu Darlene, Jussara, Idilsa e Ellah); Batuka também com todas; Sodade só com 4 batukadeiras (eu Darlene, Edna, Idilsa e Anastácia) onde cantávamos a música interpretada pela Cesária Évora;  Medellin só com a Edna, ela cantava com as Back Ground Vocals; Come Alive, Like a Prayer e I Rise com todas as batukadeiras.

A minha parte favorita era Batuka, pela força que ela tem e muitas vezes chorei durante esta atuação. Mas também gosto de Come Alive. É uma música muito mexida e a coreografia feita pelo Marvin Gophin é muito bonita.

– Vocês visitaram algumas cidades, mas viram gente do mundo todo. Qual foi o público mais animado? Qual foi a melhor cidade da turnê?

O público mais animado na minha opinião foram os de Los Angeles e Londres. As cidades que mais gostei de conhecer foram Chicago, Los Angeles e Miami.

– A Madonna mudou muito no decorrer da turnê? Ela se sentiu tensa ou algo do tipo antes da turnê começar?

Os ensaios foram muito intensos e todos nós sentimos aquela pressão antes e durante toda a tour. No caso da Madonna ela já estava magoada do joelho desde os primeiros concertos por isso a tensão dela certamente era maior.

– Você poderia nos contar como eram os bastidores antes do show? Estavam apreensivos ou relaxados?

Antes de show nós as batukadeiras ficávamos nos nossos camarins a descontrair ouvindo música, dançando e cantando. Fazíamos bastante barulho até! Rsrsrs

Também tínhamos um ritual que consistia em fazer o aquecimento vocal e a reza antes de subir ao palco. Por vezes os dançarinos, músicos ou outras pessoas da produção juntavam-se a nós para fazer a reza em português.

– Como era o relacionamento de Madonna com as Batukadeiras? E dos filhos dela?

Ela foi sempre querida conosco do primeiro dia até ao último dia da tour. Os filhos dela conviviam muito conosco, principalmente as gêmeas, são umas queridas. A Merci também é uma querida e muito talentosa. O David esteve presente algumas vezes ele até participou na coreografia do Medellin. A Lola também apareceu em alguns concertos e festas.

– Os fãs brasileiros amaram Faz Gostoso, inclusive pediram até clipe. Essa ideia de gravar um clipe foi cogitada por Madonna? As Batukadeiras gostariam de participar?

Nós nunca ouvimos nada sobre o Faz Gostoso na Madame X Tour. Mas era uma música que nós queríamos muito dançar 😀

– A rotina dos shows mudou depois que Madonna se machucou? Se sim, você poderia nos contar?

Como sabem, os shows de Londres e Paris tiveram de ser adaptados para que ela conseguisse fazer sem ter de cancelar.

– As Batukadeiras participaram de Batuka, Come Alive e Like a Prayer. Destes, qual seu momento preferido?

Batuka e Come Alive.

– Alguma música saiu da setlist de última hora? E alguma entrou? As Batukadeiras participariam de mais alguma música no show?

Última hora não. Tudo o que acontece nos concertos é sempre muito bem planeado. Mas Rescue foi a que estava para entrar e acabou por não entrar.

– Com o fim da turnê, houve uma festa em comemoração. Você poderia nos dar detalhes? Contar alguma coisa engraçada, divertida, diferente, que rolou?

A festa de final da Tour foi uma festa muito divertida, mas que no fim todos caíram em lágrimas. Estávamos a dizer adeus e foi tudo muito repentino. Não me esquecerei daquele dia e muito menos das pessoas que fizeram parte da tour.

– Você poderia nos contar como foi a concepção dos visuais da turnê? Gostaríamos de saber das roupas e acessórios usadas pelas Batukadeiras e Madonna nas músicas que vocês participam!

Tudo o que nós vestimos em palco é a Madonna quem decide. As nossas roupas foram inspiradas na roupa das Batukadeiras que ela viu em Portugal. Normalmente usa-se apenas uma cor nas saias como o preto, o mais tradicional, e blusa branca. Mas hoje em dia as batukadeiras modernizaram-se e têm apostado em outras cores como o azul, verde e vermelho. A Madonna inspirou-se no que viu em Lisboa e quis reproduzir para o palco de Madame X. Apesar de ser ela a pessoa que decide tudo, no momento de decisão final ela pediu a nossa opinião e avaliação do figurino, o que mostra que mais do que mostrar o que ela viu em Lisboa ela queria que sentíssemos confortáveis com o que estávamos a vestir e que representasse bem a nossa cultura.

– Durante os meses de turnê, os bastidores foram gravados? Além do show, esperamos muito um documentário de tudo!

Também nós! Queremos ver tudo 😀

– Todo mundo quer saber, vai ter registro do show? Será que sairá em breve?

Houve registo do show sim! E nós queremos muito ver uma vez que não tivemos a oportunidade de ver o show no seu todo.

– Há algum novo projeto previsto das Batukadeiras com Madonna?

As Batukadeiras que acompanharam a Madonna em tour por agora não têm nada marcado, principalmente por causa desta situação que estamos a viver. Mas o futuro prevê coisas bonitas para todas. Cada uma agora está a focar nos seus projetos pessoais e o grupo todo apoia 100% a cada uma.

– Como você define sua vida antes e depois deste trabalho com a Rainha do Pop? Qual o legado deixado por Madonna na sua vida, principalmente no profissional?

Hoje sou uma pessoa muito mais experiente. Adquiri competências pessoais e profissionais que há 1 ano atrás não as tinha. A nível musical sou mais rica pois aprendi com os melhores do ramo; a nível de produção e gestão tenho mais conhecimentos uma vez que estava lado a lado com o tour manager e outras pessoas do ramo; a nível de gestão de pessoas e conflitos penso que aprendi muito principalmente no grupo, saber aceitar as diferenças de cada pessoa e gerir o stress em momentos de elevada pressão.

Acima, deixamos o Instagram das Batukadeiras que participaram da turnê, e também o da Darlene, para vocês seguirem! Em breve, mais entrevistas para vocês, com mais Batukadeiras, elas são muito queridas! Gostaríamos de fazer com todas, mas a Darlene nos contou que a Bianina não fala muito bem português, é difícil comunicar com ela, pois ela só fala crioulo… vamos ficar só na vontade! Vamos relembrar o vídeo que Madonna postou dela e de outras Batukadeiras:

Agradecemos imensamente a Darlene pelo seu tempo e disposição para nos contar um pouco da sua vida e da “Madame X Tour“, esperamos vê-la por aqui mais vezes! Obrigado!

Essa entrevista é exclusiva do Site RainhaMadonna. Sua reprodução, total ou parcial, deverá ter autorização dos administradores, sob as penas da lei (art. 184 do Código Penal).