Dando seguimento as entrevistas com as Batukadeiras da “Madame X Tour“, hoje trazemos à vocês uma conversa bem legal que tivemos com a Jaci Duarte, confira!

A minha vida profissional tem alguns fatos interessantes, já trabalhei no McDonalds, já fui recepcionista, au pair (Nos EUA), auxiliar de infância e no último ano (antes da tour) estava a trabalhar como barbeira.
Sempre fui uma pessoa sonhadora e lutadora, considero que sou uma pessoa que corre sempre atrás das coisas que quero, mesmo que os odds não estejam muito a meu favor, daí considerar-me uma Believer.
Curiosidades sobre mim:
– Lema de vida- “Nada é impossível, só leva é mais tempo”;
– O que me irrita? Mentira e falsidade
– Já perdi a conta de quantas vezes já meti as músicas da setlist (durante a quarentena) do show e fico a fazer as coreografias.

Como foi o primeiro momento de Madonna com as Batukadeiras? Você estava presente neste encontro? Se não, como foi seu primeiro contato?

Eu não estava presente na primeira vez que a Orquestra de batukadeiras a conheceram.
No meu caso eu conheci-a no primeiro dia do Workshop, que foi em Londres, em Maio. Para ser sincera a primeira interação que tive com ela foi bem inesperada, eu não estava a espera que ela fosse nos dar muita importância, e deu. Fez questão de nos apertar a mão uma a uma, saber os nossos nomes e o mais cool disso tudo é que ela fez contato visual.

Madonna faz questão de sempre dar destaque a culturas locais em seus álbuns, turnês e apresentações. Para você, qual a sensação de ter uma música no álbum da Rainha do Pop?

Tendo ela um legado no mundo da música de mais de 30 anos, onde já
retratou e falou de vários temas mundiais, é uma honra ter uma música
da minha cultura num álbum de uma personalidade mundial como a Queen.
O mais bonito disto tudo, é que ela não está apenas a mostrá-lo aos seus
fãs, ela realmente sabe a história, teve o interesse de aprender algumas
palavras em crioulo e até aprendeu a dançar kutorno, que é o estilo de
dança, do batuko.

Você esteve presente na gravação do clipe de Batuka? Conte para gente um pouco da experiência! Tem gente que acha que Madonna não participou das gravações e enviou uma dublê, acredita?

Não estive presente na gravação do vídeo clip.

Pra você, qual o impacto de ter as Batukadeiras no álbum e turnê da Madonna?

Apesar de ser um dos estilos de música mais antigos de caboverde e ser património cultural, não era conhecido mundialmente e veio trazer mais notoriedade depois do álbum “Madame X”, em relação a ter as batukadeiras em tour, viémos acrescentar alegria, talento, representatividade da mulher, história da cultura africana e inspiração para além daquela que já existia no grupo. Então o impacto tanto na tour como no álbum, foi super positivo.

Você tem vontade de participar mais uma vez de algum álbum ou turnê da Rainha do Pop?

Claro que sim, como se diz em crioulo “sem djobi pa lado”, traduzindo
em português, “sem olhar para o lado”, para além de ser uma ARTISTA
muito inspiradora, é um ser humano humilde, que apesar de todo o
conhecimento que tem ainda se mostrava disponível a aprender conosco e todos os dias saia dos ensaios com mais uma aprendizagem ou forma de
ver a vida de forma diferente por ter visto ou vido alguma coisa vindo
dela.

Como foram os ensaios para a Madame X Tour? Como eles afetaram sua rotina?

Eu tenho a dizer que os ensaios foram intensos e de muitas horas de trabalho, a vida pessoal acaba por ficar um pouco on hold, as horas livres que tinha acabava por ficar no hotel a descansar ou once in a while iríamos passear um pouco para conhecer NYC, que foi onde foram os 2 meses e meio de ensaios.
Foram 2 meses e meio (julho,agosto e metade de setembro), muito produtivos para, aprender letras das músicas, coreografias, fazer o fitting das roupas, muito intenso, mas prazeiroso e definitivamente que aprendi que conseguimos sempre exceder os limites que impomos a nós próprios.

Nos ensaios, Madonna cantou alguma música que não entrou na setlist do show? Pode nos falar de algumas?

Sim, cantámos algumas músicas que não entraram na setlist para o show, mas mais numa de descomprimir um pouco durante os ensaios, por exemplo saiu um vídeo nosso a cantar uma música no dia que se celebra a independência de cabo-verde, para não deixar a data passar despercebida, não cantávamos só músicas que iriam para a set list do show, até porque um back in the time nunca fez mal para ninguém né não?! haha

Detalhe do microfone usado pela Jaci. Cada uma tinha um com seu nome!

Vocês participaram de outros números do concerto para além de Batuka. Destes, quais foram seus momentos prediletos?

Sim,participámos em:
God Control
Human Nature (4 das batukadeiras)
Batuka
Fado Club (5 das batukadeiras)
Medellin
Come Alive
Like a Prayer
I Rise
Como é obvio que no top desta lista dos momentos predilectos é o Batuka, mas eu também adoro o Medellin por ser uma música dançante, o Come Alive adoro a coreografia da música e a energia que carrega e um dos momentos que mais me marcava em todos os shows era o “Like a Prayer”, esta música tem história, controvérsia e a reação do público era única.
Eu via pessoa a chorarem,via pessoas a abracarem-se,dançarem,a bater palmas e ao mesmo tempo a cantar conosco, houve uma vez que me emocionei enquanto estávamos a cantar “Like a Prayer”.

Logo no início dos ensaios, já era planejada uma turnê somente em teatros? Algum dia foi cogitada a ideia de shows em arenas ou estádios?

Isso são questões mais relacionadas com a equipa dela de management, nós performers não tínhamos conhecimento de questões desse tipo.

A rotina de ensaios e shows era diferente? Como era o dia do show? Poderia contar um pouco pra gente?

Sim. A rotina de ensaios era mais longa do que as do Show, enquanto que os ensaios eram, vamos assim chamar por fases e a carga horária era pesada.
Nos shows, chegávamos, fazíamos o check-sound, jantávamos e depois disso teríamos 2/3 horas de preparação para o show, maquilhagem, aquecimento vocal,etc.

Qual foi seu maior desafio pessoal durante a turnê?

O maior desafio pessoal para mim foi lidar com tantas personalidades diferentes e aprender/conhecer aspetos sobre a minha pessoa.
Aprendi com cada pessoa da tour, aprendi a ser mais paciente, compreensiva e sempre ter uma mente aberta para a forma de pensar/estar de cada pessoa, pois cada pessoa tem a sua própria história e lutas, que no fim de contas é isso que nos torna a pessoa que somos e temos de saber respeitar.

Qual o lugar que você mais gostou de se apresentar com a turnê?

Los Angeles e Londres, o público era incrivelmente participativo e barulhento (num bom sentido).

Como era o relacionamento de Madonna com as Batukadeiras? E dos filhos dela?

Eles gostavam muito da nossa energia e forma de ser, dos momentos que estávamos juntos sempre eram momentos de divertimento.

Os fãs brasileiros amaram Faz Gostoso, principalmente por Madonna dar destaque ao funk, levar a Anitta para cantar com ela e tudo mais. Essa música foi ensaiada para o show?

Não, nunca foi ensaiada. Eu queria muito que tivesse entrado para o Set-list do show, pois para além de se falar o Português, eu particularmente gosto muito de Funk.

Além dos clipes lançados, houveram planos para mais singles do álbum?

Essa é a parte onde a equipa dela entra, nós não tínhamos qualquer informação sobre essa parte do Álbum.

A rotina dos shows mudou depois que Madonna se machucou? Se sim, você poderia nos contar?

Sim, claro. Todos nós queríamos que o show fosse feito, mas não mais do que ela. Sendo ela uma pessoa workaholic, que gosta de levar a sua arte ao público era a primeira a querer continuar a fazer os shows e sim para isso teve de adaptar algumas coisas, como o calçado, algumas partes de uma ou outra coreografia.

As Batukadeiras participaram de Batuka, Come Alive e Like a Prayer. Destes, qual seu momento preferido?

Pergunta difícil se a opção é escolher só uma. Batuka tem um lugar especial no meu coração, mas eu também sentia uma energia inexplicável quando cantava o Like a Prayer, a interação que o público tinha conosco durante a música era incrível.

Alguma música saiu da setlist de última hora? E alguma entrou? As Batukadeiras participariam de mais alguma música no show?

Não, a partir do momento que o Set list foi feito já não houve mudanças, a não ser na altura das lesões dela aí foram feitas algumas alterações.

Com o fim da turnê, houve uma festa em comemoração. Você poderia nos dar detalhes? Contar alguma coisa engraçada, divertida, diferente, que rolou?

A festa foi top. Estávamos todos num mood de divertimento,alegria e celebração, foi o que fez a diferença para a festa correr bem. Não estávamos num mood de despedida. Acho que o momento mais divertido da festa foi o Discurso do dançarino Marvin (que no dia a seguir foi postado no Instagram dela) e o mais alto da noite foi sem dúvida o discurso da Rainha da Pop, houve agradecimentos, conselhos e muita emoção nas suas palavras.

Madonna aprendeu bem o português? E os filhos dela?

Nós quando falávamos tinha sempre de ser em Inglês pois era a língua comum que nos ligava a todos, mas já troquei palavras em português com a Mercy e o David por jogar futebol em Lisboa tem um Português com algum sotaque mas fala muito bem.

Você poderia nos contar como foi a concepção dos visuais da turnê? Gostaríamos de saber das roupas e acessórios usadas pelas Batukadeiras e Madonna nas músicas que vocês participam!

Logo nos primeiros dias de ensaios foram tiradas medidas a cada uma de nós, tínhamos um dia da semana para experimentarmos as roupas.
A concepção por trás do figurino para o Show teve toda a participação dela, desde escolha de cores, tecido, quem ia usar um determinado padrão de saia para o batuka, etc. Ela tem uma super participação na hora de escolher como nos apresentamos para o show todo.

Durante os meses de turnê, os bastidores foram gravados? Além do show, esperamos muito um documentário de tudo!

Foram gravados e os fãs foram vendo. Muita coisa foi para o Instagram, os ensaios em NYC e posteriormente os ensaios e bastidores dos shows em cada coliseu ou teatro que os shows foram feitos. Vocês seguiram muito pelo Instagram, tinham os posts e ainda tinham storys, todos os dias. Nós sentíamos muito a presença dos fãs conosco, pois muita coisa era mostrada através do Instagram.

Todo mundo quer saber, vai ter registro do show? Será que sairá em breve?

Eu sempre ouvi dizer que o segredo é a alma do negócio (haha) e essa vossa curiosidade acaba por deixar as coisas ainda mais entusiasmantes. Se souberem de tudo, qual é a graça?! Hehe

Como você define sua vida antes e depois deste trabalho com a Rainha do Pop? Qual o legado deixado por Madonna na sua vida, principalmente no profissional?

Como eu referi na Prayer, que fazíamos antes de todos os shows, antes de participar na Madame X Tour, infelizmente perdi o meu irmão e foi uma dor em que eu até hoje não consigo meter em palavras, só sei que o meu sorriso não era o mesmo, a alegria de viver não era a mesma e eram poucas as razões que me faziam sair da cama para estar com pessoas e enfrentar o meu dia.
Depois de receber a noticia do Workshop, acho que não sorri durante 1 ano o que eu sorri naquele dia que recebi a noticia, daí para a frente o meu coração voltou a sentir prazer e alegria.
São o contato e as experiências com outras pessoas que dão a nossa vida a alegria,significado e sentido que procuramos.Independentemente de como era o meu temperamento no inicio da Tour estava tão grata a Deus por estar ali, que aprendi a ter mais paciência,compreensão,compaixão e amabilidade.
“ Só podemos dizer que estamos vivos naqueles momentos em que os nossos corações estão conscientes dos nossos tesouros.” Thornton Wilder
A Nível profissional, eu aprendi a ser mais disciplinada, aprendi que podemos dar sempre mais de nós, quando pensarmos que é suficiente, é aí que temos de dar ainda mais.
Aprendi que a força está em nós e que se a nossa força não for suficiente, para olharmos para a pessoa que está ao nosso lado porque de alguma forma vamos tirar dali alguma inspiração.
“Front line, i wont stand in the back”.

Essa entrevista é exclusiva ao site RainhaMadonna. Sua reprodução, total ou parcial, deverá ter autorização dos administradores, sob as penas da lei (art. 184 do Código Penal).