Dando continuidade a série de entrevistas do RainhaMadonna com as Batukadeiras da “Madame X Tour“, hoje trazemos para vocês, a entrevista de Idilsa Tavares!

Chamo-me Idilsa Tavares, tenho 30 anos. Nasci em Cabo Verde e moro na Suíça por cerca de vinte anos, onde eu fiz todos os meus estudos. Depois de fazer um treinamento como gerente de negócios de varejo, decidi focar 100% na dança, que é minha paixão desde a infância. Hoje eu sou dançarina e coreógrafa profissional. Eu trabalho com diferentes artistas na Suíça e no exterior. Eu também coreografo clipes musicais, e sou juíza de batalhas de danças, dou cursos e oficinas … toco em todos os círculos da dança. Meu estilo é uma mistura de Hip-Hop e Afro. Eu diria que estes são os dois estilos que mais me definem, sou o quádruplo campeã suíço de Hip-Hop. A dança africana faz parte das minhas origens, por isso está no sangue. 4 anos atrás eu criei meu coletivo chamado AFRO ROOTS, um coletivo que reúne dançarinos de diferentes horizontes e juntos trazemos o movimento afro para a Suíça.

Como foi o primeiro momento de Madonna com as Batukadeiras? Você estava presente neste encontro? Se não, como foi seu primeiro contato?

Então não, eu não estava presente nesta reunião. Minha primeira reunião com ela aconteceu em Londres durante o workshop. Foi super impressionante vê-la de perto, eu costumava vê-la na TV e lá, estava ela, bem na minha frente!!!! Mas correu muito bem, ela tirou um tempo para cumprimentar a todos de nós. Ela era linda e sorridente.

Madonna faz questão de sempre dar destaque a culturas locais em seus álbuns, turnês e apresentações. Para você, qual a sensação de ter uma música no álbum da Rainha do Pop?

É uma grande honra que ela fez por Cabo Verde! Batuko é uma dança que tem uma história e que envia uma mensagem forte por trás, por isso estamos muito orgulhosos disso.

Para promover o álbum, Madonna gravou o mini-documentário World of Madame X. você estava presente? Poderia nos contar como foi?

Infelizmente, não posso dizer nada sobre isso porque não estava presente.

Antes do lançamento do álbum Madame X, vocês gravaram o lindo clipe de Batuka. Você estava presente? Pode nos contar um pouco de como foi?

Infelizmente eu não estava presente durante a gravação do clipe de Batuka!

Você tem vontade de participar mais uma vez de algum álbum ou turnê da Rainha do Pop?

Mas é claro!Se eu fosse convidada novamente, eu digo SIM sem pensar!!!!! Esse tipo de experiência é uma vez na sua vida, então se você tiver a oportunidade de viver não hesite!

Como foi sua escolha para participar da Turnê? Poderia nos contar como foi o workshop?

A “Madame X Tour” foi uma experiência incrível. Eu acho que mudou a vida de cada um de nós… da minha parte, percebi que realizei um dos meus maiores sonhos como dançarina. Lá, tivemos um olhar mais atento à sua maneira de trabalhar e lá nós entendemos por que essa mulher ainda reina depois de tantos anos, e também por que nós a chamamos de Rainha do Pop. Essa experiência nos permitiu viajar, superar nossos limites e conhecer pessoas incríveis. Subindo todas as noites no palco ao lado de Madonna e vibrar com o público é uma sensação única.

Então eu fui contatada pelo Dino D ‘Santiago, ele também contatou o resto das Batukadeiras para o Workshop…. uma vez que chegamos a Londres aprendemos diferentes músicas, deveríamos que fazer exercícios diferentes e isso já era para ter uma ideia do coisas que teríamos que fazer durante a turnê, e foi Madonna quem fez a escolha das Batukadeiras que iam sair em turnê!

Como foi a interação da equipe nos bastidores? Como foi a interação dos filhos da Madonna com as Batukadeiras e o resto da equipe?

Estávamos cercados por profissionais do ramo, passando dos técnicos para a equipe de estilo, eles estavam nos ouvindo… e também estavam lá para nos ajudar. O contato correu muito bem entre as Batukadeiras e as crianças da Madonna, especialmente com as gêmeas (Estere e Stella) que estão cheios de energia, eles dançam sem parar, são adoráveis. David, Mercy e Lola também vieram bastante regularmente nos ensaios, eles são muito amigáveis.

Após o workshop, vieram os ensaios para a turnê. Poderia nos contar um pouco de como eram as rotinas dos ensaios?

Os ensaios foram muito intensos, você tinha que estar mental e fisicamente preparado. Os dias eram longos, às vezes fomos até as 6 da manhã. É aqui que nós vemos como Madonna é trabalhadora, ensaiamos todas as coreografia e músicas até ficar perfeito!!!! Ver ela na idade dela se dar tanto é ótimo inspirador e motivador, nos levou a superar a nós mesmos e sair da nossa zona de conforto. Não nos faltava força de vontade, demos o melhor de nós mesmos porque queríamos ter sucesso, e nos apoiamos, as Batukadeiras, as dançarinas, toda a equipe, a tornar-se uma grande família.

Foram ensaiadas músicas que não estão presentes no show?

Rescue Me é uma música que ensaiamos, mas que não acabou saindo da setlist.

Além de Batuka, quais músicas as Batukadeiras participaram no show?

Sim, é claro, além de Batuka, os Batukadeiras participaram de vários outras músicas como:
– God Control (todas as Batukadeiras)
– Human Nature (eu mesmo Idilsa, Ellah, Jussara e Darlene)
– Sodade (Edna, Anastacia, Darlene, Ellah e eu, Idilsa)
– Medellín (Idilsa e Edna)
– Come Alive, Like a Prayer e I Rise (todas as Batukadeiras)
O interessante do grupo Batukadeiras é que houve uma grande diversidade entre nós. Embora tenhamos um grande amor por Batuko, algumas são apaixonado por música, outros por dança, alguns por atuar… é uma grande força e uma grande riqueza que temos em nosso grupo e isso nos permitiu sermos mais versáteis.

Qual foi seu maior desafio pessoal durante a turnê?

Então, meu maior desafio pessoal foi sair da minha zona de conforto. Antes de entrar em turnê, eu disse a mim mesma, “Idilsa, se você sair em turnê, terá que trazer uma nova pessoa, e você tem que enfrentar seus medos e ir além dos seus limites“. Isto é exatamente o que fiz, e hoje tenho muito orgulho disso, porque você pode rapidamente se intimidar pela grandeza e pelos presentes. Apesar de ser dançarina, estou acostumada
no palco, e ainda tínhamos o melhor dos negócios conosco. Se houver algo eu aprendi é que, se não sair da luz dentro de si, as pessoas não poderão adivinhar. Eu trouxe a minha luz, eu era capaz de ser eu mesma e vivia claramente meu sonho.

Após a turnê começar, vocês ensaiaram antes dos shows? Como era essa rotina de ensaio e show?

Em geral, chegamos mais cedo ao teatro. Nós fazíamos a passagem de som, ensaiamos algumas coreografias e esperamos a chegada da M. Depois que ela estava presente, ensaiamos com ela e depois nos preparamos para o show.

Há alguma coisa que você poderia dizer sobre a turnê que as pessoas ainda não sabem?

Tínhamos um ritual em nosso camarim, sempre fazíamos uma oração antes de cada show. Às vezes cantamos ou dançamos funana, Batuko ou Afrohouse para relaxa e ter um bom estado de espírito.

Para você, qual foi a melhor etapa da turnê?

O melhor passo para mim foram os ensaios, a preparação para a turnê porque foi a parte mais gratificante, tivemos que nos colocar à prova, tivemos que aprender e isso nos permitiu ver a profissão mais de perto. Nós poderíamos ver tudo nos bastidores, mudanças de cena, engenheiros de som … uma vez que a turnê começou, vai por si só, nós nos adaptamos ao ritmo.

Das músicas da setlist do show, tem alguma preferida que você participou? Tem alguma que você gostaria de ter cantado e que ficou de fora?

Meus favoritos são: Come Alive, Medellin e Batuka, é claro, eu também era dançarina para essas 3 músicas.

Madonna lesionou seu joelho durante a turnê, fazendo com que ela cancelasse alguns shows. Os shows que foram mantidos, tiveram que ser adaptados, com o corte de Crave, e também do primeiro bloco em algumas datas? O corte dessas músicas específicas saiu da Madonna? Como foi feita a escolha?

Então sim, de fato, ela teve uma lesão no joelho, o que foi muito difícil para ela, mas como ela é uma lutadora, ela resistiu até o fim. Certamente houve alguns datas que foram canceladas devido a seu problema de saúde. Quando houve cancelamentos mesmo nós os aprendemos apenas no último minuto, porque ela sempre se certificou estar na frente e no centro de seus fãs!

As Batukadeiras podiam fazer gravações pessoais nos bastidores da turnê?

No nosso camarim eram permitidos celulares, mas era proibido filmar na
nos bastidores dos teatros.

Sabemos que alguns shows de Lisboa foram gravados. Além dos shows, os bastidores foram gravados? E os ensaios?

O certo é que alguns shows foram filmados em Lisboa, mas nos bastidores e nos ensaios, não ouvi nada sobre isso.

Como você define sua vida antes e depois deste trabalho com a Rainha do Pop? Qual o legado deixado por Madonna na sua vida, principalmente no profissional?

Eu diria que antes de sair em turnê eu já estava tocando, mas eu estava me perguntando muitas coisas. A turnê me permitiu abrir meu horizonte, ter um espírito mais aberto… aprendi muito com todos os artistas ao nosso redor, por sua visão, sua jornada e sua maneira de fazer as coisas. Eu pude ver esse trabalho em profundidade e eu adquiri novos conhecimentos. Hoje eu permaneço forte, confiante, determinada e rica em experiência, sei exatamente o que quero. Madonna me trouxe muito, tanto pessoal quanto profissionalmente. Ela é uma mulher poderosa e uma verdadeira inspiração em sua jornada, sua história, sua carreira e, especialmente, sua visão. Eu me sinto muito sortuda por fazer parte disso, que foi uma grande aventura.

Em breve mais entrevistas no site! Esperamos que vocês estejam gostando!

Essa entrevista é exclusiva ao site RainhaMadonna. Sua reprodução, total ou parcial, deverá ter autorização dos administradores, sob as penas da lei (art. 184 do Código Penal).